São Bernardo do Campo / SP - terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Depressão

Transtornos Depressivos.

  • Que são elas?

Esses transtornos caracterizam-se pelo estado e espírito deprimido, perda de interesse e de prazeres. Se alternadas com euforias exageradas e irritabilidade, passam a ser considerados transtornos bipolares (um pólo, depressão; outro pólo euforia ou mania). Sua gravidade, os sintomas que acompanham o estado de espírito deprimido e a duração dos transtornos são o que as diferencia das mudanças normais na disposição de ânimo que fazem parte da vida. As causas para esses transtornos variam; existem fatores psicossociais que influenciam o aparecimento e a persistência dos episódios depressivos assim como vários fatores biológicos.

  • Quantos sofrem delas?

Nos Estados Unidos da América, em um único ano, uma em cada sete pessoas adultas sofre um transtorno de temperamento. Nos Estados Unidos, encontrou-se que 5% as crianças entre nove e 17 anos de idade sofriam de depressão, um transtorno que se pensava não afetar jovens e adolescentes. O Programa para a Mulher, a Saúde e o Desenvolvimento da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) constatou que a depressão é cerca de duas vezes mais freqüente nas mulheres do que nos homens e que ha mais de oito milhões de homens na América Latina que sofrem de depressão.

  • Que se pode fazer? 

Apesar de existirem soluções, a maioria das pessoas com depressão não recebe tratamento adequado. Isto significa que, atualmente, há milhões de pessoas na nossa região afetadas por esse transtorno e cujo sofrimento prolonga-se porque seu mal passa despercebido ou não são tratadas corretamente. A relutância em expressar seus sentimentos, ou pessoal médico pouco habilitado podem ser a causa subjacente do problema. Felizmente, existem hoje diretrizes claras para o tratamento da instabilidade temperamental incluindo tanto medicamentos antidepressivos, como intervenções psicológicas.

Referência: OPAS (2001).